SAY & DO

6 de abril de 2015

por
Planejador Estratégico na Seven Comunicação Total

“Vou à academia todos os dias, depois faço um lanchinho light para repor as energias. Cortei totalmente as frituras e os carboidratos da minha dieta. Para mim, a saúde vem em primeiro lugar, eu cuido muito do meu corpo!”

Esse discurso foi feito por uma colega. No entanto é provável que você também conheça alguém assim. Mas, quando ninguém está olhando, esse discurso nem sempre reflete a realidade do cotidiano. Como não sobra tempo entre o trabalho e a faculdade, minha colega passa em um fast-food para matar a fome. Ok, mas qual o problema disso? Atire a primeira pedra quem nunca…

O grande problema é definir algo como verdade levando-se em consideração apenas as opiniões das pessoas e ignorar o comportamento delas. O discurso dos consumidores nem sempre está alinhado ao seu comportamento de consumo. Identificar essa diferença é fundamental para uma tomada de decisão, principalmente quando envolve o direcionamento estratégico de uma empresa.

Aprofundar-se nos estudos de comportamento do consumidor é uma das principais ferramentas utilizadas pelos planejadores estratégicos, a fim de realizar o melhor direcionamento de uma campanha. Note que o estudo é sobre comportamento e não sobre opinião do consumidor. Embora muitos entendam que o comportamento se resume ao levantamento de opiniões, é preciso identificar essa grande diferença, como exemplifica o discurso descrito acima.

Identificar o caminho ideal a ser seguido não se restringe à analise das opiniões diversas, mas sustenta-se em extrair a essência da informação fazendo as perguntas corretas. Exemplo muito bem ilustrado na campanha do Canal Futura.

 Eis o grande desafio do planejamento estratégico: enxergar aquilo que não está na nossa frente, ouvir aquilo que não é dito e, assim, encontrar o melhor caminho para envolver o nosso público.

Muitas boas ideias são barradas por argumentos que se baseiam em informações distorcidas, pesquisas com pouco fundamento ou em preconceitos fortemente estabelecidos.

 

E você? Está tomando suas decisões baseado em quê?

Deixe uma resposta

VOLTAR